20/09/2013 | Regional

Setor Vida e Família é estratégia para atingir casais em todas as paróquias

Padre Hélio Luciano, membro da Comissão de Bioética da CNBB, (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) indicou que as organizações eclesiais ligadas à família devem juntar-se ao Setor Vida e Família para que, entre outros motivos, “não gastem energia em vão” sozinhos. Ele explicou a iniciativa durante a 46a. Assembleia Regional de Pastoral da CNBB Sul 4, dia 20 de setembro, em Lages.

— A pastoral familiar não é um grupo, mas é trabalhar os setores pré-matrimônio, pós-matrimônio e “casos especiais”, de maneira orgânica —, explicou. O objetivo é atender amplamente os noivos, casais casados no religioso e os que vivem juntos sem o sacramento religioso. A ação deve ser apoiada pelos grupos afins, como os de famílias, movimentos eclesiais e comunidades de vida, articulados entre si.

Se os diversos grupos no âmbito da família e casais colaborarem, a área abrangida será ampliada porque a Pastoral Familiar chega a apenas a 173 paróquias, das 368 que existem em Santa Catarina, enquanto todas possuem outros grupos cujo foto é a família. A criação do setor pode ser útil também para a fortalecer a chamada pastoral de conjunto, porque “cada movimento tem uma tendência a se fechar e se eles próprios são Igreja e não os outros”, ponderou o padre.

Outra consequência desejada é qualificar todos os agentes e membros de grupos para o atendimento às famílias. “Nos preocupamos com cada pessoa, uma empresa não, mas temos que nos profissionalizar no trabalho”, analisou.

Os delegados da assembleia apontaram proposições para acelerar o projeto da conferência. Entre elas, estão envolver outras pastorais afins como as pastorais da juventude, da saúde e família que já atuam em ações específicas no âmbito da família; indicar padres referenciais nas dioceses para o Setor Vida e Família, no regional um bispo referencial; e qualificar as secretárias paroquiais a cerca dos temas relacionados ao setor. As proposições não são deliberativas e não tem prazo para serem realizadas.

Oitenta e nove lideranças, entre padres, bispos e agentes de pastoral, participaram da assembleia, encerrada dia 21 de setembro. Outros pontos de pauta foram as metas para 2014 das três prioridades do Regional Sul 4 da CNBB, Juventude, Família e Pastorais Sociais, e avaliação da etapa catarinense da 5a. Semana Social Brasileira, que aconteceu em Taquaruçu.